Archive by Author

BBB 13: Aline é o destaque da primeira semana

14 jan

Alô população! Um apelo, por favor: deixem a Aline no Big Brother. Se for pra resumindo a primeira semana do BBB em uma palavra essa palavra será: Aline.

Desde o ano passado, que teve uma edição fraca a gente falava que queria uma edição tipo ex-BBBs All Star. O céu Boninho ouviu nossas preces e resolveu colocar esse ano seis ex-participantes.

Adoramos a chegada das queridas Fani, Anamara e Natália e dos queridos Eliéser, Dhomini e Bambam, até que este saiu para deixar entrar o delícia do Yuri. A fina nata, o creme de la crème de edições passadas para disputar com um time de novatos mais ou menos assim sem graça.

Mas apesar de toda esse embate, de longe quem mais se destacou foi ela: Aline. Também conhecida como Penha. A pessoa mais autêntica que já pisou na casa do Big Brother, tirando a Ana Maria Braga, que não conta muito. Ela é expressiva, dinâmica, prática, tem o pávio curto, é explosiva, engraçada e age sem pensar. O que talvez tenha sido a corda em seu pescoço.

Nas primeiras horas de programa ela já tretou com o Bambam e continuou tretando. Não gosta de ser chamada de Penha. Psicólogo pra ela é uma pá e uma vassoura. Sem falar que nos brindou com frases ótimas. Eu sou uma gatinha com quem merece e uma leoa quando convém. Achava que quem tinha olho azul enxergava tudo azul. Salsicha ou linuiça? Não dá pra ter os dois. O seu valor é o de uma coxinha mordida e um copo de guaraná.

Na primeira festa, num dado momento ela tava deitada. Daí pra atazanar, Boninho ligou o som no quarto. Se quer dormir fica em casa e não vai pro BBB. Foi só tocar funk que ela levantou e mostrou a que veio. Se jogou ao som de Naldo. Quer coisa melhor?

Além disso, na sexta ela peitou Bambam ao vivo dizendo que foi ridícula a atitude dele de sacanear o grupo dos novatos quando eles perderam a primeira prova do líder. E quem há de discordar?
Imagem

He-Man vai virar joguinho pra iOS

9 out

Deu no IGN. He-Man, aquele desenho que a gente ama apesar de repetir frame, vai virar um joguinho pra iPhone, iPad e iPod Touch.

Ainda não há data de lançamento prevista. Mas alguns detalhes do game já foram anunciados. Serão 27 fases, por diversas locações de Eternia e, além de enfrentar o Esqueleto, os outros personagens da série animada devem marcar presença.

A gente aguarda ansiosamente. Enquanto isso, tem umas imagens do jogo já liberadas.





Cheias de Charme vai deixar saudades

1 out

Novela é, sobretudo, texto. Empregadas protagonistas para agradar à classe C ascendente? Balela. “Cheias de Charme” cravou bons índices de audiência por dois motivos. Primeiro por retratar um sonho possível – o de gente comum que dá a volta por cima e conquista espaço e sucesso.

Depois pelo humor leve e despretensioso que cativou o público, sobretudo o infantil. Os autores Filipe Miguez e Izabel de Oliveira captaram isso muito bem, criando reviravoltas para acertar o tom de alguns personagens.

Sandro, interpretado por Marcos Palmeira, é um dos exemplos mais claros. O que era pra ser uma versão light do Seu Madruga acabou quase se tornando um vilão detestável. Querendo se dar bem de um jeito fácil, não trabalhava. Se metia em trambiques que beiravam a ilegalidade, não pagava a pensão do filho e chegou a roubar o DVD das Empreguetes. Imperdoável. Até que veio sua recuperação. E volta o cão arrependido que de bandido tornou-se sem querer querendo o herói do fictício bairro do Borralho. O arco da Penha (Taís Araújo) e seu marido traste foi um dos melhores da novela.

Evidente que a interpretação é elementar. E neste caso, “Cheias de Charme” teve muita sorte, pois contou com um ótimo elenco. Marcos Pasquim e Olívia Araújo (no papel da divertida Jurema, empregada da doutora Lygia), por exemplo, que pegaram a trama já quase no fim, conseguiram se destacar. Assim como Titina Medeiros e sua impagável Socorro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No núcleo Rosário (Leandra Leal), Ricardo Tozzi conseguiu encontrar bem a diferença entre Inácio e Fabian, tornando críveis as cenas em que os dois personagens interpretados por ele se encontravam.

Mas se teve alguém que chamou atenção foi Cláudia Abreu, irreconhecível sob o figurino espalhafatoso de Chayene.

Até mesmo a falta de talento ajudou em um desenrolar feliz da trama. O Conrado, de Jonatas Faro, não deu muito certo. E olha que o texto tentou ajudar, promovendo uma segunda chance entre ele e Cida (Isabelle Drumnond)

Não teve jeito. Novela é obra aberta e os autores precisam entregar o que o público quer. E não houve quem não torcesse pelo mais bom moço, mais bonito e mais encorpado Elano (Humberto Carrão), revelação da trama.

Novela é texto. Já estava tudo escrito. No  primeiro capítulo  Cida conheceu Conrado, por quem se apaixonou, quando namorava o Rodinei. Flagrou ele a traindo com Brunessa e resolveu beijar o primeiro que aparecesse em sua frente. Justamente o Elano. Quem lembra?

Plantão BBB 12: Tá ruim tá ótimo

15 mar

Não curto vocês na timelinda dizendo que o BBB está chato na hora do programa. Primeiro que tá ruim tá ótimo a gente já sabe. Nem tamo mais acompanhando tanto assim. Segundo que ninguém é obrigado a assistir Big Brother. Então muda de canal, veja outra coisa, porque mais chata que essa edição só vocês xingando muito no tuinter.

Escrevo este post com pesar no coração, porque isso pode custar no futuro a minha vaga no BBB 13, a menos é claro que o Boninho dê uma de Marcelo Tas e me contrate igual o Ronald Rios que foi pro CQC. Esperança, minha gente, é última que morre.

Dizia eu que a aritmética… que essa edição tá sem graça e coisa e tal. Que faltou um tchan, que não teve uma coisa marcante. Não teve uma Dimmy Kieer e um Serginho pra dar um xaxo no xaxado, não teve uma Ju (BBB 8) dançando di di sainha.

Não teve uma Lia e uma Elenita brigando. Sem falar que o povo que tá votando no Big Brother tá trollando legal a Globo e o próprio programa, dando um tiro no próprio pé. Sempre elimina os mais legais. Começando pela Jake, meu amor eterno e eu nem estou sendo irônico.

Qué dizê, Boninho e equipe tiveram um ano pra selecionar os Brothers e Sisters dessa edição e nos apresentam isso. Sério, põe o Lucas Celebridade que tá aí facinho. E põe eu. Porque até se eu me filmar comendo salada e colocar na web fica mais ~interessante~. Ié.

Claudinha e meu amor Luanzito na vida, ops, no BBB

Em primeiro lugar teve o meu marido, ao lado do Neymar, o Luanzito. Um lindo, cantando músicas novas e clássicas. Na semana seguinte teve Michel Teló, que foi massa e muito além da Fugidinha e de nossa nossa, ai se ele te pegasse. Que mais? Como eu ia me esquecendo da Claudinha, diva, amor demais, vem fazer show em São Paulo depressa, que saudades, Leitte.

E ontem pra completar a lista teve Zezé di Camargo e Luciano exibindo suas respectivas boas formas e olha que eu nem assisti ao show. Foi só de ouvir as gays falando no Twitter. Tudo bem, tá faltando o Gusttavo Lima se apresentar no BBB ainda. E até agora tá faltando um show da Preta Gil, porque a gente ama, pelo menos a parte GLS desse blog (ou seja, eu, mas as meninas vão gostar quando eu levá-las na Noite Preta).

E pra coroar de vez essa edição como a que teve os shows mais legais da história do Big Brother, disse o Boninho que quem vai fazer o show na gran finale será o cara com o sorriso mais bonito e cativante da música popular brasileira, isso mesmo o Mr. Thiaguinho, ex-Fama, ex-Exaltasamba.

É muito amor

As melhores descrições do Grindr

9 fev

Redes sociais, aplicativos… a vida amorosa dessas bichas cosmopolitas é um verdadeiro Chat Roulette. Cê nunca sabe o que você vai encontrar nesses bate-papos da vida. O Grindr, um app destinado à pegação entre machospaquera gay baseia-se naquele princípio do Jota Quest que seu amor pode estar ao seu lado e lista os boy magia (e os não tão magia assim) que estão próximos de você.

Como a gente tem a desenvoltura de um boneco de posto para paquerar (como bem observou a Fernanda) resolvi listar aqui as melhores descrições que a galera faz de si mesma. Isso deve explicar porque eu tô solteiro. Hahahahahaha. Vai ser tipo um povo fala. Como cada um se enxerga e como eu os vejo. São as melhores que estão no meu bairro né gente. Vou preservar os nicks e identidades e focar nos abouts.

Adoro gente que tem preguiça das redes socais ahhahahahahaha começamos muito bem!

A rejeitada da zona leste

UHAHUAHUhuhuahuahuhuHAUHUAhuahuahuahuahu

Realmente, um problemão

Resumindo: já foi corno, tadinho. =(

Rede social errada. Sugiro o Skoob!

Nervosa!!!!

Gente, não é orelhão. Alôka

Mr long dong.

A lá. Num disse que era Chat Roulette?

 

Desenho antigo: Frutas e companhia

4 ago

Oi seus lindo e suas linda que acompanham este blog múltiplo, colorido e diversificado.

Direto do túnel do tempo venho aqui resgatar um desenho muito muito antigo.

Pouquíssimos se lembram dele. Passava na TV Cultura.

O nome: Frutas e companhia.
A história: Uma garota tinha como amigos um monte de frutas. Entre eles uma banana e um abacaxi, que se chamavam Bananito e Abacaxito, respectivamente. Tinha um cacto também.

Tem poucas cenas desse desenho disponível no youtube. Também nem precisa. A produção tem aquela pegada de desenhos como He-Man, She-Ra e Sailor Moon que repetem eternamente o mesmo frame.

Pelo pouco que me lembro, a menina e seus amigos bichas frutas tinham que salvar uma ilha das ameaças ao meio ambiente. Não sei como ela conseguia arrumar tempo para isso, porque tudo que ela fazia no desenho era andar, andar, andar infinitamente e em loop.

Pra quem não se lembra ou não chegou a assitir essa preciosidade, segue aí o vídeo tirado direto do fundo do baú dessa minha memória bizarra.

O BK Cheddar

25 jul

O Burguer King acertou em cheio. A rede de fast food lançou esses tempos um novo sanduíche: o BK Cheddar, cujo nome é auto-explicativo.

O grande trunfo aqui é que este novo lanche é melhor que seu principal concorrente, o Cheddar McMelt. Sim meus caros, a receita é a mesma já conhecida até de quem curte um Bob’s, com o tradicional queijo cremoso alaranjado e as cebolas picadas e grelhadas com shoyo. Mas o Burguer King conseguiu desbancar os predecessores.

Primeiro porque, como todos sabem – mas não custa repetir -, no BK é possível acrescentar coisas ao seu hambúrguer – como outros hambúgueres – para deixá-lo maior, mais gostoso e mais caro também, evidentemente. No MC, até onde sabemos só é possível retirar ingredientes. Não acrescentá-los. E quem tira ingrediente de lanche do MC é fresco. Fora que não compensa. Nunca se sabe quando o funcionário vai escarrar no seu Big Mc sem picles.

Além de a versão com três hambúrgueres ser incrivelmente mais gostosa, porque a carne do Burguer King é melhor, o cheddar é mais cremoso e mais saboroso. Na última vez acrescentei maionese ao lanche. Ficou incrível. Recomendo fortemente.

Como nem tudo são flores – ou, melhor dizendo, nem tudo é cheddar – o BK comete umas falhas graves que a gente alerta aqui, pra que eles melhorem sempre e sempre. Vamos à eles:

Enganação. Primeiro, o lanche é anúnciado como o paraíso do cheddar na terra. Levando a entender que o maior de todos vem com três camadas de cheddar. Bem, como dizer isso de maneira educada? Não vem.

Vejam vocês mesmo:

O lanche do anúncio

O lanche na vida real
Agilidade.Apesar de estar na realeza dos hamburgueres, o BK precisa sair do muro do castelo e saber o que se passa nos limites do reino. Nesse sentido o plebeu Mc Donald’s leva vantagem. É muito mais rápido.Por isso, precisa urgente ver isso aí, porque esses dias enfrentei umas filas enormes pra pegar o lanche. E se tá assim hoje em dia… imagina na Copa!
Gritaria.Falando sério agora. A entrega dos lanches é uma das etapas que mais precisa ser revista. Em um mundo cada vez tecnológico, os funcionários são obrigados a gritar o número de ordem dos pedidos. Aqueles painéis de led facilitariam bem a vida dos atendentes. Cuidado com os funcionários, tal, é legal.E é isso.

The Amazzzzzing Spiderman

23 jul

Essa semana foi divulgado o primeiro trailer do próximo filme do Homem-Aranha. Como vocês sabem, o quarto filme da série será um reboot e tal. E lá vamos nós no cinema conferir novamente como que um adolescente comum e nerd é picado por uma aranha geneticamente modificada e se transforma num super-herói que todo mundo quer ser – um herói que entrega pizza!

Brinks à parte gente, a polêmica ficou por conta de que nesta nova versão do filme o Homem-Aranha, aquele espetacular, fabricará a própria teia, ao invés de ela ser produzida por seu organismo mutante. Eu que tenho muita preguiça de economizar na hora de atirar no video-game, sou a favor das teias orgânicas. A Fernanda é old school e prefere o lança teias.  E vocês seus lindos leitores? Vê aí o trailer e responde a nossa enquete!

=)

Faixa a faixa na real de Luan Santana Ao Vivo no Rio

8 jun


Epílogo.

Oi gente, este é meu primeiro post oficial como um membro desta família Múltipla. E como ninguém disse que não podia estreio em grande estilo e com um post enorme de gigante. Mas é uma ocasião especial. Afinal de contas estou escrevendo aqui pela primeira vez e o primeiro post é sobre ele, meu amor, isso mesmo: Luan Santana.

Fim do epílogo.

Vocês podem até não acreditar, mas Luan Santana é bom! E pra mostrar pra vocês que eu não tô dizendo besteira, proponho-me uma tarefa heóica.

Desenvolvo nestas mal traçadas linhas um faixa-a-faixa do mais recente lançamento deste cantor sertanejo pop que não é só mais um rostinho bonito no nosso cenário musical.

O disco começa com “Adrenalina”. O single foi lançado em meados de outubro do ano passado, muito antes da gravação do CD/DVD propriamente ditos que aconteceu em dezembro. Boa escolha, porque ambienta a gente, sabe? Dando aquela cara de familiaridade.

“Um Beijo” vem a seguir. E essa é fofa. “Saio cantando do chuveiro, eu sou o cara mais feliz do mundo inteiro”, anuncia o lindo. Quem nunca se sentiu assim numa noite antes de sair de casa? Cê vai encontrar aquele gatinho e dizer que tá apaixonada. Daí cê trava. Começa a gaguejar. Deixa acontecer e o coração se entregar, boba. “Um beijo vale mais que mil palavra”, diz o refrão. É meio clichê, mas é verdade. Clichês funcionam justamente por isso. Fica a dica.

Uma das mais legais do CD, “Palácios e Castelos” tem uma cadência gostosa. Amorzinho gostoso, adolescente e super romântica. A letra é meio boba, mas dá pra dançar abraçadinho e agitadinho.

Que dizer da quarta música? “Química do Amor” conta com participação da Ivete Sangalo. Só que eu curto mais Claudia Leitte. A música é animada e eu não gostei no princípio. Mas os refrões grudam na cabeça. Daí não tem jeito. “Eu quero ser o seu amor, tô louco pra me entregar” e “Diga, que você vai entrar na minha vida”. Problema: Luan diz que está xonado. E isso é muito cafona. A menos que ele diga isso no pé do meu ouvido. Se não dá pra achar bonitinho não. Péééééééééééééééé Pula. Próxima.

“As lembranças vão na mala”. É uma música de superação de fim de relacionamento. Mais ou menos. É aquele típico discurso de não me deixa, só que mostrando pro amado que quem vai perder é ele. Acredite, não é piegas. E fala dessas coisas fofas como ver por do sol abraçado, e sinistras como solidão, e peso na consciência.

Sabe quando você tá a fim de uma pessoa e tudo dá errado? A agenda não bate, o outro sujeito está ocupado com outras prioridades. Você vai chegar nele e ela tá com outra? Então. “Não era pra ser” é a música mais realista do CD. Resume lindamente minha vida amorosa. No meu caso nunca é pra ser. RISOS. Próxima, antes que eu corte os pulsos. BRINKS.

O conceito de “A Bussola” é um pouco cafona. Mas é uma declaração de amor (?). E qual declaração de amor não é assim? Você tá perdido na vida, e a pessoa te mostra o leste, para ver o sol nascer. Fala aí, não é bonito?

Oitava faixa do CD e chegamos em “Feiticeiro”. A música abre com um dos versos mais legais e vingativos de todas. Pessoa te fez mal, mas né, o mundo gira e daí ela se fode. “O feitiço virou contra o feiticeiro”. Que que fazemos? Vamos no show do Luan Santana pra comemorar esse fim de relação, óbvio!

Daí chegamos em “Superamor”. Começa falando em desafio à lei da gravidade. Não se iluda. O refrão parece superfofo mas na real a letra é superinfantil. “Quero ser o seu super-herói, te dar um superamor” // “É só fechar os olhos e imaginar você que eu sinto a energia como um superpoder”. Tá vendo? Eu disse. Se o CD todo não fosse bom dava pra pular essa faixa. Mas a gente é fã, aceita essas coisas meio vergonhosas. Fazer o quê?

Sendo assim, adiantamos. Até agora eu não sei quem é Belinda. Sei que ela fala espanhol. Mas como não vi nenhum perfil dela na Ilustrada, na Serafina ou no Fantástico, continuo sem saber quem é a moça. E fiquei com preguiça de dar um google pra fazer esse texto. Fato é. No começo eu não gostei da participação dela no CD. Hoje eu sou apaixonado pelas partes que ela canta a música “Meu Menino (Minha menina)”. É incrível e viciante. “No me pregunte”. Atente para o refrão “Tu maneira, tu sorrisa, tu aparencia de niño que me agrada”. Gente. Sorrisa é a palavra mais legal do mundo!

A próxima música do CD é uma das melhores. Eu sei que eu falei isso de várias. Mas “Desculpas” é realmente boa. A letra é moderna, atual, sabe assim? Fala sobre isso. Pessoa que fica dando as desculpas mais espalhafatosas do mundo. Tudo sempre acontece com ela. E é tudo mentira. Obviamente. Sugiro o exercício de decorar o começo. Eu ainda não decorei. Mas vou.

O grande hit deste CD – a música está na novela afinal de contas – é “Amar não é pecado”. Gosto bastante e tals. Mas não consigo deixar de pensar que significa. Sim, exatamente. “Tive medo, em segredo, guardei o sentimento e me sufoquei. Mas agora, é a hora, vou gritar pra todo mundo de uma vez”. Se isso não for uma espécie de outing discreto então eu não sou gay. Mas olha, eu apostaria minha bichice nessa hipótese. Claro que Luan vai continuar negando. Mas só dele saber que eu catei o que a letra quer dizer… bem… fica dado o aviso… Pode me ligar, viu gato?

A penúltima música é para aqueles que falam que gostam de sertanejo (mas pode ser samba) de raiz. Existe mentira mais cabeluda que essa? Geralmente esse tipo de gente que diz gostar de música de raiz tem preconceitos musicais e não entende de porra nenhuma de samba nem de pagode nem sertanejo. Só quer pagar de cool. Bom, dito isto. Zezé di Camargo e Luciano, aqueles lindos, fazem uma participação especial em “Amor Distante/Inquilina de Violeiro”. E no meu mundo, mais raiz que Zezé e Luciano, só Tunico e Tinoco, Jane e Erundi. Essa gente legal.

É massa a letra e a música. Dá aquela sensação gostosa de sítio do tio Rogério. Poderíamos terminar por aí. Mas não. Luan vem com “Conquistando o Impossível”. Precisava? Não. Não precisava. Essa música tem uma pegada meio crente, meio gospel, meio evangélica. Mas até aí. O que é um peido pra quem tá cagado? A gente já ouviu o CD inteiro várias vezes mesmo, que uma a mais uma a menos nem faz diferença.

Resumindo. Se tudo isso não foi suficiente pra te convencer, continua aí ouvindo Adelle – nada contra, viu Mari?- mas eu daria essa chance pro rapaz. Afinal as letras tratam de coisas que acontecem com a gente a todo momento. E este CD  vale muito à pena. Quero ver todo mundo ouvindo e falando pra mim o que achou.

É isso.

Por enquanto

%d blogueiros gostam disto: